quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Sermão do padre durante o casamento




"Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento na igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre:

"Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?"Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?

- Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?

- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?

- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?

- Promete se deixar conhecer?

- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?

- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?

- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?

- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?

- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros." Mário Quintana

2 comentários:

Anônimo disse...

Nessas confissões de desejos as promessas ficam mais humanas, e que bom se a gente conseguisse ser demasiadamente humano. Quero o desejo de desejar, o desejo de respeitar, o desejo de beijar, o desejo de se olhar com ternura, o desejo de acariciar, o desejo de andar pelas ruas de mãos dadas.
Que tudo isso possa ser verdade, porque senão for.Então, ao amanhecer construiremos o nosso mundo de paz!
Obrigada Leninha por este belo texto!
abreijos
Mára

frida3421 disse...

O sacramento do casamento é belíssimo . A função do sacerdote é apenas de uni o casal o que é falado na homília( sermão) não pode ser mudado , a Igreja não pode ser moldada ao gosto das pessoas, o que está escrito não pode ser mudado , no momento do casamento, casal recebe as bençãos de Deus através do sacerdote e o que Deus uni, ninguém pode separar . por mais que esse casal venha separar depois , para Deus continuam casados.
A Igreja não tem culpa dos casamentos frustrados , o fato é que as pessoas não tem consciência do passo que é um casamento, o Sacramento do Matrimônio é uma das grandes obras divinas, que foi criado para o Amor Familiar. A Família é o grande investimento que Deus criou, é através dela que se educa cidadãos retos.
Deus nos fez para a felicidade, não nascemos para viver sozinhos, mas sim com uma companhia. O Pai quando criou o homem, deu à ele uma companhia: Eva. Deus também acrescentou: "Por isso o homem deixa o seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher; e já não são mais que uma só carne" (Gn 2, 24).

Quando o casal é fiel no amor, é um grande sinal de Deus. Deus está presente no amor do casal. Quem acredita nisso pode casar na Igreja.O Matrimônio é uma doação total ao outro e à Deus. Aí está o problema se doar é muito difícil , requer muitas vezes renúncia e poucas são as pessoas que admitem se doar ou renúciar algo por alguém.